Hemangioma Hepático

Hemangioma hepático é um dos tumores mesenquimais benignos mais comuns no fígado.         


Geralmente são solitários podem variar de poucos milímetros até 20 cm, sendo a maioria abaixo de 5 cm. 


A frequência na população em geral varia de 0,4 a 20 %. 

SINTOMAS

A etiologia dos hemangiomas ainda não está completamente esclarecida, mas sabe-se que são mal formações dos vasos sanguíneos do fígado. O crescimento do hemangioma está associado as alterações de hormônios femininos como estrógeno e progesterona, como ocorre na gravidez e no uso de anticoncepcionais hormonais. 


Geralmente são descobertos incidentalmente em pacientes que foram submetidos a exame de imagem por qualquer outra razão, já que são na maioria das vezes assintomáticos. 


Os que apresentam sintomas são os hemangiomas com mais de 4 cm e os pacientes podem apresentar dor abdominal, desconforto e quando comprimem algum órgão adjacente, náuseas e saciedade precoce. 


Os exames laboratoriais são geralmente normais e no exame físico praticamente não se nota alterações.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico inicial geralmente é sugerido por ultrassom de abdome e deve ser confirmado com tomografia computadorizada, ressonância magnética ou exame de medicina nuclear. Raramente necessita de biópsia.

 

TRATAMENTO

Quanto ao tratamento, nos pacientes assintomáticos recomenda-se acompanhar com exames de imagem a cada 6 a 12 meses os hemangiomas, principalmente com 5 cm ou mais. Recomenda se também a critério medico suspender terapias hormonais já que estão envolvidas no crescimento dos hemangiomas. 


A cirurgia está reservada para casos sintomáticos ou hemangiomas de grande tamanho que estejam comprimindo órgão adjacentes. 


No caso de hemangiomas gigantes irressecáveis ou síndrome de Kasabach-Merrit associado pode-se indicar transplante de fígado.